Setembro Amarelo: A importância da vida e o sentido de viver

Qual o valor da vida? Conseguimos mensurar a importância de uma vida? O que acontece quando vemos alguém desistindo de sua vida, não enxergando mais importância, sentido em viver?
 
Primeiro fator a ser considerado é a complexidade de uma vida, nos aspectos físico, psíquico, social e espiritual. Todos eles estão interligados, se o físico não está bem, logo o psíquico sofrerá com isso, e o mesmo entre os outros fatores. A questão é quando todos esses fatores adoecem e a pessoa chega ao seu limite, não vislumbrando mais saídas, motivos para se valorizar, cuidar de sua vida, vindo a perder o olhar para si.
 
Em setembro, de modo especial, voltamos os nossos olhares à campanha de Valorização da Vida, à qual se deu o nome de Setembro Amarelo, mês dedicado, então, à prevenção ao suicídio.
 
Hoje, temos consciência de que existem pessoas que necessitam de ajuda. Isso não é frescura, não é falta de Deus, não é para chamar atenção. É sim um pedido de ajuda! E para o sofrimento, para a falta de forças, para o desânimo, existem pessoas prontas para ouvir, para ajudar.
 
Quando um aspecto do ser humano adoece, o outro também adoece. Dessa forma, o cuidado deve ser compreendido da mesma maneira, ou seja, não adianta cuidar só de um, é necessário cuidar do físico, do psíquico e do espiritual. Para o físico, existem atividades, exercícios, medicamentos. Para o psíquico, existem psicoterapias. E, para o espiritual, a fé! Tanto como os profissionais de saúde e os medicamentos, a fé é essencial para essa busca do sentido, da valorização da vida.
 
Para quem sente que precisa de ajuda, fale com uma pessoa de confiança, com um profissional de saúde, com o Centro de Valorização da Vida (CVV) – 188. Você não está sozinho! Falar é o primeiro passo rumo ao reencontro da importância, sentido da vida, porque enquanto você não fala, o sofrimento não vai embora.
 
Thaís Campos Borges
Psicóloga