Santo Antônio: o anúncio e a vivência da Palavra de Deus

            Os santos brilham na Igreja como sinal de que é possível viver conforme a vontade de Deus. São, para os cristãos, exemplos de fé e modelos na vivência da caridade e da esperança. Além disso, os santos são também intercessores: perto de Deus, recorrem a Ele, rogando por nós. Por isso a prática devocional é tão importante à espiritualidade, já que nos conduz ao Senhor por meio daqueles que fizeram uma autêntica experiência de fé.

            Santo Antônio é um dos santos mais queridos e venerados no mundo todo. Viveu em Lisboa, Portugal, entre os séculos XII e XIII. Suas virtudes nobres e suas palavras eloquentes marcam até hoje a vida de milhares de pessoas. Em sua história destacam-se inúmeras qualidades, dentre as quais apresentamos o anúncio e prática da Palavra de Deus e o amor aos pobres e à pobreza.

            Não sem motivo, Antônio de Pádua é conhecido como o padroeiro dos pregadores. Diz a tradição que, certa vez, não querendo os homens ouvir falar de Deus, o santo pregou para alguns peixes, que o escutaram atentamente. Contudo, seus belíssimos sermões expressam algo mais que a arte da retórica: uma espiritualidade profunda e a vivência concreta da Palavra de Deus.

            Antônio viveu a Palavra de Deus sobretudo no amor aos pobres, de maneira que ficou conhecido como o santo “do pão da pobreza”. Ele soube dar preferência àqueles que Jesus chamou de bem-aventurados (cf. Mt 5,3), alimentando-os tanto espiritual, quanto corporalmente. Por isso, até hoje, no dia 13 de junho - sua memória litúrgica - há o costume de se abençoarem e distribuírem pães.

            O exemplo de Santo Antônio deve nos inspirar a viver os ensinamentos divinos, colocando-os em prática no nosso cotidiano. Que sua história nos ensine a amar a Deus e a ajudar os que precisam e que, pela sua poderosa intercessão, sejamos servidores de Cristo, propagadores do Evangelho e praticantes da caridade.

 

Seminarista Gabriel Henrique da Silva