Setembro. Mês da Bíblia.

Paz e bem!
 
No ano de 1989, uma jovem se aproximou de sua amiga e fez a seguinte indagação: “Como faço para conhecer melhor a Deus e perceber o que Ele quer para a minha vida”? Passados alguns dias, a amiga lhe deu uma Bíblia de presente: “Aqui você conhecerá a Deus e, assim, terá todas as orientações”.
 
O que fazer já que não sabia manusear? Um livro totalmente diferente de todos os outros. Estava com um grande tesouro em suas mãos. Essa foi a certeza que teve em seu coração. Iniciou pelo índice. Parecia estranho começar assim. Mas naquele momento, sem nenhuma intimidade com a Palavra de Deus, foi o que aconteceu. Assim, descobriu que o Antigo Testamento contém 46 livros e o Novo Testamento contém 27 livros. Ao todo, 73 livros.
 
Mas, com tanto conteúdo, como ouvir Deus? E sua amiga sabiamente disse: “Você tem que aprender a história da Bíblia”. A jovem entendeu que só aprenderia tudo o que Deus quisesse lhe revelar, estando na Igreja junto dos irmãos, participando dos grupos de oração, dos círculos bíblicos e da Santa Missa. Assim fez e aprendeu a ler a Palavra, meditar, conhecer a vontade de Deus e tentar pôr em prática mesmo em meio às lutas.
 
Aprendeu que a Bíblia surgiu no meio do povo de Israel. Tudo o que está escrito foi inspirado pela fé em um Deus único que lhes revelou: “Estou sempre com vocês”! E, quanto mais procurava saber, mais aprendia que Deus direcionava e cuidava do povo no decorrer da sua caminhada nessa terra. Instituiu reis, levantou profetas e, por fim, enviou Seu Filho Único, Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nasceu da Virgem Maria, foi morto e ressuscitou dos mortos. Assim salvou a todos.
 
A partir da morte e ressurreição de Jesus, os apóstolos escolhidos por Ele saíram ensinando em Seu Nome, pois o Espírito Santo estava com eles. Mateus, Marcos, Lucas e João escreveram situações vividas quando caminhavam com Jesus. Esses textos são chamados de Evangelhos. Lucas escreveu a respeito das atividades praticadas pelos apóstolos no livro chamado Atos dos Apóstolos. Paulo escreveu 14 cartas. Aos romanos, coríntios, gálatas, efésios, filipenses, colossenses e tessalonicenses. São mais 7 cartas escritas por Tiago, Pedro, João e Judas. E, encerrando, João escreveu o Apocalipse, que quer dizer Revelação.
 
Estamos em 2020. Portanto. Passaram-se 31 anos desde aquela primeira conversa com minha amiga. Jovem não sou mais, pelo menos não cronologicamente. Aprendi que, no mar da vida, precisamos de uma bússola que nos oriente todos os dias. E esta bússola, digo sem medo de errar, é a Palavra Deus! Com a Bíblia nas mãos, os pés no chão e o olhar fixo no céu.
 
O convite que faço a todos neste mês de setembro, que a Igreja dedica em especial à Bíblia, é tirar um tempo do seu dia para ler e conversar com Deus através da Bíblia.
 
Faço aqui uma citação do Monsenhor Jonas Abib, fundador da Comunidade Canção Nova: “Infelizmente, muitos cristãos não entenderam ainda”. E, aqui, poderíamos colocar a passagem de São Paulo aos Coríntios: “Esta é a razão porque entre vós muitos andam doentes e enfraquecidos e muitos estão como mortos”. (1Cor 11,30). Sem alimento, ninguém vive. O Povo de Deus comeu o maná no deserto e chegaram à terra prometida. Nós, hoje, precisamos nos alimentar também do Pão da Palavra e, assim, tomar posse da salvação.
 
Feliz mês da Bíblia para todos!
 
Claudina Coutinho Pereira Silva
Renovação Carismática Católica; Ministério de Exéquias