Características da Imagem

 

"Deus quis que todos os bens nos chegassem por Maria." (Augusto de Lima Júnior - Livro: História de Nossa Senhora em Minas Gerais – Belo Horizonte – 1956).

 

Dizia Santo Tomás que Maria "é o único remédio para todos os males: canseiras, angústias e necessidades." Concedeu Ele à Virgem os títulos de Medicina do Mundo, Senhora dos Remédios, Saúde dos Enfermos. O título Senhora da Saúde foi muito defendido na velha Lusitânia (Portugal), sendo introduzido por religiosos franceses da Ordem Hospitalar da santíssima Trindade, que estiveram em Lisboa no início do século XIII.

 

Nossa Senhora da Saúde

 

Escultura em madeira policromada, data provavelmente da segunda metade do século XVIII. A Virgem é representada jovem, em pé, com pés sobre nuvens. O Menino Jesus em seu braço esquerdo e na mão direita traz uma palma estendida sobre seus filhos e filhas, como que socorrendo-os em suas necessidades. Com a cabeça ligeiramente inclinada à esquerda, apresenta o rosto em formato oval, com fisionomia serena. Seus olhos estão abertos e são levemente arqueados, possui nariz aquilino, boca pequena e fechada, queixo em montículo. Os cabelos da Virgem são castanhos escuros repartidos ao meio. Sobre a cabeça, um véu curto, castanho, amarelado com detalhes dourados. Seu pescoço é curto. Veste túnica longa amarelada com detalhes dourados. Sobre a túnica um manto nas cores marrom claro avermelhado. Sua base, de formato piramidal, é arrematada por anel quadrado, com entradas côncavas nas laterais da base.. Como adorno apresenta uma coroa de prata, decorada com motivos fitomorfofos e arrematado por uma pequena cruz. O Menino Jesus é representado com veste na cor bege. Apresenta fisionomia serena, nariz aquilino, boca pequena e fechada, olhos azulados. Seus braços estão flexionados à frente do corpo, com sua mão esquerda representada aberta e a direita segurando um globo acimado com uma cruz. Apresenta coroa de prata decorada, solta da cabeça.

A venerável imagem da Padroeira fica exposta no altar mor da Igreja Matriz de Lambari, Diocese da Campanha.

Durante todo esse tempo, a Imagem da Padroeira desceu pouquíssimas vezes, tendo razões especiais para isso:

 

 

A Imagem de Nossa Senhora da Saúde foi tombada, isto é, passou a ser cuidada em suas necessidades de conservação e possível restauro, pelo Estado de Minas Gerais, no ano de 2002, quando era Pároco Padre Vicente de Paulo Toledo. O belo trabalho se deve, de maneira especial ao senhor NascimeBacha e à senhora Ana Paula Peixoto Saraiva. Assim diz o parecer de tombamento:

"A representação da memória é fundamental na constituição da identidade do ser humano nas relações com o meio em que vive (...). A proteção da Imagem de Nossa Senhora da Saúde é de fundamental importância para a comunidade de Lambari. Seu valor histórico é demonstrado através da fé na Virgem, passada de pai para filho, e assim prevalecendo por gerações. Além disso a figura da Virgem Santa está diretamente relacionada à origem de Lambari, com a força terapêutica das águas encontradas no município. Por isso, o tombamento é um mecanismo de proteção que representa para a cidade a garantia da conservação do bem patrimonial para as gerações futuras, contribuindo também para melhor qualidade de vida dos lambarienses, enriquecendo as interações sociais no contexto cultural de Minas Gerais." 

     

Para o processo de tombamento foram consultados os acervos documentais do Arquivo Público Mineiro, Coleção Mineriana de Biblioteca Pública Estadual do IEPHA/MG, Cúria Metropolitana de Belo Horizonte, Prefeitura Municipal de Lambari.

Para Lambari, a Imagem da Senhora da Saúde é o grande tesouro que Deus concedeu a povo da terra das Águas Virtuosas. Pela sua materna proteção, louvamos ao Senhor que faz em nós maravilhas, perpetuando ao longo das gerações o amor de Lambari à Mãe de Deus, Senhora da Saúde.