Ano Litúrgico C | São Lucas

Pintura Presbitério da Igreja Matriz

Páscoa do Senhor

"Quero tudo ser em Ti!"

Venerável Irmã Benigna Victima de Jesus,

rogai por nós!

10 anos de Pascom Senhora da Saúde

"Ide pelo mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura!" Mc 16,15

Palavra do Pastor

 

“Volta, meu povo, ao Teu Senhor!”

 

Infelizmente, continuamos experimentando o desafio da pandemia da Covid-19. Neste mês de março, chegaremos à marca de 2 anos em que o Brasil se vê marcado pela presença do coronavírus entre nós, com todas as consequências acarretadas pela proliferação do vírus. Vislumbramos, portanto, uma realidade marcada pelo afastamento, cada vez maior, entre as pessoas, nem sempre como prática de prevenção à Covid. A pandemia acabou gerando um certo medo nas pessoas e também acentuou a indiferença diante das dores e sofrimentos dos outros. No campo da fé, estamos assistindo a uma postura de frieza e até de tibieza. Há muitos que retomaram todas as atividades, exceto a participação na vida da comunidade de fé. Outros se acomodaram em rezar somente com a TV, rádio, celular ou computador.

No entanto, nós não podemos nos esquecer do quanto Deus tem nos acompanhado, sobretudo nesta fase tão difícil. Quantos de nós não passamos por momentos extremamente dolorosos, vencidos somente com a força emanada de Deus? E, se olhamos para a nossa história como um todo, sem dúvida, recordaremos das muitas graças derramadas pelo Senhor em nossas vidas. Por isso, não podemos continuar distantes e afastados do Senhor, de sua Igreja e de nossa comunidade de fé. Não podemos resgatar o sentido de nossa existência prosseguindo com um coração frio, endurecido pela preguiça, comodismo ou indiferença.

Sendo assim, o tempo quaresmal que vamos iniciar é uma oportunidade ímpar para voltarmos ao Senhor. Que todos possamos atentamente ouvir o chamado à oração, à penitência, à caridade fraterna, iluminados pela Palavra de Deus, ao longo desses 40 dias de recolhimento e deserto espiritual. A Quaresma é um forte convite do Senhor para nos convertermos, para nos voltarmos inteiramente a Ele e à sua santa vontade.

“Volta, meu povo” é a voz que há de ecoar em nossos corações, não simplesmente para lotarmos novamente nossas Igrejas, mas para que nos sintamos mais fortes, porque unidos ao Senhor! Façamos juntos, com empenho, dedicação, generosidade e compromisso, nosso caminho para a Páscoa da Ressurreição do Senhor!

A você e sua família, deixo meu abraço e bênção, reforçando o convite para sua participação conosco em nossa Quaresma, em toda a sua especial programação.

 

Pe. Carlos Henrique Machado de Paiva - Pároco


 

"Alegrai-vos sempre no Senhor" (Filipenses 4,4) A alegria da Ressureição

 

            A vida é marcada por momentos e tempos singulares e especiais; na Igreja também é assim. Acabamos de concluir um tempo muito rico e próprio, a Quaresma, e estamos começando a belíssima caminhada do Tempo Pascal.

            A Quaresma, marcada pelo recolhimento, pelo silêncio e pela oração penitencial, não possui um fim em si mesma. Ela é o meio pelo qual nos preparamos para vivenciar, de modo pleno, consciente e convertido, o Mistério Pascal de Cristo, Mistério esse que fundamenta, conduz e ilumina toda a vida da Igreja e a vida de cada um de nós.

            Ao celebrarmos a Páscoa do Senhor, somos todos convidados a proclamar: Cristo ressuscitou, está vivo! Proclamar não somente com a boca, mas com toda a nossa vida, com o nosso modo de ser, no mundo e com os outros. Proclamar Cristo ressuscitado é fazer brilhar no mundo a verdadeira alegria que tudo transforma e a todos atinge: a alegria da Ressurreição, alegria que brota da fé no Deus que vence a morte e abre as portas da eternidade para nós. Esse mesmo Deus que outrora quis se encarnar para nos amar de perto, se fez um de nós, igual em tudo, exceto no pecado, e assim nos ensinou, e continua a ensinar, o que verdadeiramente é o Amor.

            Essa alegria, diferente de algumas euforias, não é alheia às adversidades da vida, mas permite que estas sejam compreendidas e enfrentadas à luz da experiência de fé. Viver na alegria da Ressurreição, portanto, não significa que na vida não haverá dificuldades e sofrimentos ou que eles serão ignorados, mas sim que tais realidades não terão a última palavra sobre nós, não serão capazes de tirar nossa paz interior nem poderão nos afastar de Deus e dos outros. Viver nessa alegria é saber que Deus, na pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, é próximo de cada um de nós, e sua presença pode ser sempre sentida e experimentada, sobretudo nos gestos concretos de Amor.

             Como é bom encontrarmo-nos com pessoas que irradiam essa alegria, pessoas que, às vezes mesmo sem compreender totalmente, são espelhos do Cristo por onde passam, com seu jeito simples de ser e de amar transformam tudo a seu redor: a família, o trabalho, a Igreja, e tantos outros ambientes, pois aqueles e aquelas que foram iluminados pela luz do Ressuscitado não escolhem onde iluminar, são instrumentos de Deus onde quer que seja que Ele as coloquem.

            Sejamos, pois, proclamadores dessa alegria, multiplicadores do Amor de Deus, e assim nos alegraremos sempre no Senhor, pois é Ele quem nos sustenta e conduz todos os nossos passos. Caminhemos com Cristo Ressuscitado neste tempo Pascal e, com Ele, sejamos instrumentos da ressurreição na vida de nossos irmão e irmãs.

 

Henrique Oliveira Luiz de Paulo

Seminarista da Diocese da Campanha, 2° ano da etapa da Configuração, Comunidade Teológica Senhora do Carmo - COTESC. Bacharel em filosofia pelo Instituto Filosófico São José, Campanha-MG e bacharelando em teologia pela Faculdade Católica de Pouso Alegre, FACAPA.

 


 

Senhora da Saúde, rogai por nós!

Nesta porção do povo de Deus, da centenária Diocese da Campanha, presente em Lambari, celebramos, juntos à Virgem da Saúde a fé e a vida da nossa boa gente, suas lutas e esperanças, fracassos e vitórias, tristezas e alegrias.

Não foi encontrado nenhum evento hoje!

Participação nas celebrações em tempos de pandemia

Comunicamos que, graças à melhora do cenário pandêmico em âmbito municipal, não é mais necessária a realização de inscrição para a participação nas celebrações. Porém, como medidas de segurança e em obediência ao decreto do nosso bispo diocesano, Dom Pedro Cunha Cruz, ainda são obrigatórios o uso de máscara e a higienação das mãos ao chegar à Igreja Matriz. Permaneçamos atentos e nos empenhemos contra toda e qualquer forma de disseminação do coronavírus.

Fale Conosco

Últimas Notícias

Ver Todas as Notícias